sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Carta de Amor

 Recebi, ontem, uma encomenda especialíssima: O livro "Toda Poesia", de Leminski, e o DVD Carta de Amor, da incomparável Abelha Rainha Bethânia...dois Universos! 

 O livro de Leminski já virou meu livro de cabeceira e já assisti Bethânia 4 ou 5 vezes...daqui a pouco o DVD começará a apresentar defeitos.

 Uma música me atraiu bastante: Carta de Amor. Nela, Bethânia (que escondia a maioria das coisas que escreve...imaginem quantos outros clássicos podem estar escondidos no Oásis de Bethânia?!) expressa toda uma filosofia de vida, o jeito bethaniano de viver, o qual compartilho. 

Meus trechos prediletos:

"...pensou que eu ando só? Atente ao tempo!
Nem começa, nem termina, é nunca, é sempre..."


"...medo não me alcança.
No deserto me acho, faço cobra morder o rabo, escorpião virar pirilampo..."


"...Eu não provo do teu fel, eu não piso no teu chão
E pra onde você for, não leva o meu nome não..."


"...se choro, quando choro, e minha lágrima cai
É para regar o capim que alimenta a vida
Chorando eu refaço as nascentes que você secou
Se desejo, o meu desejo faz subir marés de sal e sortilégio
Vivo de cara para o vento na chuva, e quero me molhar 
O terço de Fátima e o cordão de Gandhi cruzam o meu peito..."






P.S.: Sou como a haste fina, que qualquer brisa verga, mas nenhuma espada corta!

Nenhum comentário:

Postar um comentário